Parque Zoobotânico: patrimônio e memória


O Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi é tombado como Patrimônio Histórico Nacional. Criado em 1895, é o mais antigo do Brasil em seu gênero. Abriga um importante conjunto paisagístico, formado por edificações do século XIX e do início do XX, por monumentos, lagos, recintos de animais e vegetação.

O Parque também é patrimônio da cidade, um lugar de memória para seus moradores. A cada ano, durante gerações, milhares de famílias cultivam o hábito de passear no Museu Goeldi, seja para ver animais, visitar as exposições ou conhecer as plantas nativas da Amazônia. Ou simplesmente para usufruir de um ambiente agradável e saudável.

Como ponto turístico, o Parque é inesquecível para os que estão de passagem, figurando entre as boas lembranças de muitos viajantes que registraram suas impressões em livros, como Theodor Koch-Grünberg, Euclides da Cunha e Mario de Andrade.

A exposição “Parque Zoobotânico: patrimônio e memória” pretende destacar alguns ícones desse recanto mágico da cidade. Em painéis espalhados pelo Parque, alguns prédios e monumentos são devidamente contextualizados. Eles foram selecionados pela importância histórica, artística ou por serem queridos dos moradores de Belém.

A mostra faz parte do Programa de Revitalização do Parque Zoobotânico, que já reformou ou restaurou a maioria das edificações históricas – e que continua em ação para abrir ao público novas atrações, como o Centro de Exposições Eduardo Galvão e a Casa de Emílio Goeldi. Em breve, a exposição será ampliada para a contextualização das plantas e dos animais.

Seja bem vindo. Entre e percorra nossa trilha da memória.
(Peça seu mapa na Bilheteria - Na Livraria você encontra obras sobre a história do Museu Goeldi)
 

 

Pavilhão Domingos Soares Ferreira Penna (Rocinha)


Castelinho

 

Herma de Spix e Martius

 

Busto de Domingos Soares Ferreira Penna

 

Recinto das onças pintadas


 Espaço Ernst Lohse – Livraria

 

Pavilhão Emília Snethlage


Aquário Jacques Huber

 

Biblioteca de Ciências Clara Maria Galvão